Quais são as 5 melhores universidades do mundo em 2020?

Para formar o ranking, são considerados específicos indicadores para pontuar a qualidade das instituições em relação a ensino, pesquisa, transferência de conhecimento e internacionalização.

As universidades são e sempre foram alguns dos principais responsáveis pelos grandes avanços tecnológicos do mundo, proporcionando inovações, descobertas e melhorias gerais para a sociedade em todas as áreas do conhecimento. Os acesso à tecnologia de última geração resulta em uma experiência acadêmica mais completa e valiosa para os estudantes, seja em laboratórios e centros de pesquisa como também dentro das próprias salas de aulas diariamente.

créditos: ulleo /pixabay

Para manter-se atual, as universidades precisam prever o movimento futuro do mercado, suas possíveis demandas e principais mudanças, e implementar os cursos e serviços oferecidos aos estudantes em resposta – afinal, a empregabilidade é uma das metas finais procuradas pelos estudantes em uma universidade e um dos principais resultados que ela tem a oferecer aos seus graduado. 

Entretanto, apesar de estar preparado para o mercado de trabalho ser uma da razões centrais, estudar em uma universidade tecnologicamente avançada e inovadora significa estar exposto diariamente ao que há de mais atual na sua área de estudo e em outras também, possibilitando a interdisciplinaridade e a formação completa dos estudantes. 

1. University of Oxford (Reino Unido)

É a mais antiga universidade de língua inglesa. Foi fundada em 1090 e cresceu de forma veloz em 1167, quando o Rei Henrique II da Inglaterra proibir seus estudantes de irem a Paris. A própria instituição gosta de dizer que é mais antiga que o Império Azteca, Genghis Khan e a Catedral de Notre-Dame de Paris.
 A instituição foi palco de diversos acontecimentos históricos, muitos de cunho religioso. No século 14, um de seus professores fez campanha por uma Bíblia em inglês, em direta oposição ao papado. Em 1530, o Rei Henrique VIII forçou a universidade a aceitar seu divórcio de Catarina de Aragão. No mesmo século, membros do clero anglicano considerados hereges foram queimados na fogueira no campus. E em 1860, em um dos debates mais famosos da ciência, o acadêmico Thomas Huxley enfrentou o Bispo Wilberforce para defender a teoria da evolução.

Crédito: alfcermed/ Pixabay

2. California Institute of Technology (EUA)

O Instituto de Tecnologia da Califórnia (California Institute of Technology) foi fundado em 1891. O número total de matrículas é de aproximadamente 2.100 estudantes. Os programas de estudo da universidade estão agrupados em diferentes divisões. São cursos de Biologia, Química e Engenharia Química, Engenharia e Ciências Aplicadas, Ciências Geológicas e Planetárias, Ciências Humanas e Sociais, Matemática, Física e Astronomia, e alguns programas interdisciplinares. O Escritório de Acomodações garante moradia para todos os estudantes de graduação já no primeiro ano de curso.

Ao redor do mundo, o Caltech ficou conhecido por pesquisas de ponta que produz e por seus laboratórios de alta tecnologia. Entre eles, está o Laboratório de Propulsão de Foguetes da NASA, agência espacial americana. Ele nasceu no Caltech e, ainda hoje, é tocado por professores e alunos da universidade. As pesquisas realizadas ali ajudaram a viabilizar o sonho de levar o homem ao espaço.

3. University of Cambridge (Reino Unido)

A Universidade de Cambridge é a segunda mais antiga em língua inglesa do mundo, atrás apenas de Oxford. Sua fundação remonta ao ano de 1209 quando alguns acadêmicos de Oxford se desentenderam com os nativos e acabaram, então, indo para Cambridge e fundando uma nova instituição. Algumas décadas depois, entre badernas estudantis e preços altos por comida e hospedagem, o Rei Henrique III da Inglaterra decidiu-se pelos alunos e professores. Com a proteção real, a Universidade de Cambridge logo organizou-se dentro do padrão de ensino da elite da época. Aos poucos, vieram os prédios e residências que formam o campus.

4. Stanford University (EUA)

A Universidade Stanford, ou Leland Stanford Junior University, é conhecida como a universidade dos empreendedores, em função de seus ex-alunos terem sido muito bem-sucedidos na fundação de grandes empresas. Fica localizada na Califórnia, Estados Unidos, ao lado do Vale do Silício, na região de Palo Alto. Ela foi fundada em 1885 pelo ex-governador e senador da Califórnia Leland Stanford, junto de sua esposa Jane Lathrop Stanford. Porém, abriu as portas apenas em 1º de outubro de 1891, com 555 alunos matriculados.

Créditos: t_watanabe/ Pixabay

5. Massachusetts Institute of Technology (EUA)

O MIT, ou Massachusetts Institute of Technology, é um dos principais centros de estudo e pesquisa em ciências, engenharia e tecnologia do mundo. Fundado em 1861, em Cambridge, nos EUA, o instituto formava profissionais que atendessem à demanda das indústrias, que cresciam a passos largos no país. Foi só em meados da década de 1930 que o MIT passou a focar sua formação em pesquisas científicas de base e inovação tecnológica. A universidade já formou mais de 120 mil alunos. Seus ex-alunos e professores já ganharam 85 prêmios Nobel (o mais conhecido deles é Richard Feynman, considerado o pai da física quântica) e centenas deles foram vencedores das principais premiações de tecnologia.

Por Keila Baraçal

Deixe uma resposta